Sexta-feira, 19 de Agosto de 2005

.::Metamorfoses::. (VIII)

         Não podia acreditar que alguém pudesse fazer o que os meus olhos viam.


Os braços da Márcia esvaiam-se, em sangue. Horrível!!! Não sabia que fazia, decidi sair dali mas manter-me alerta ao estado dela. Passados cerca trinta minutos ela passou, e foi para o quarto.


         Fiquei ainda um pouco na sala a dar voltas ao assunto, porque é que a Márcia fez aquilo? Não é normal.


 


         A noite passou e acordei cedo, a Márcia já estava na cozinha, estávamos sozinho, achei o momento ideal para falarmos:


         - Olá Márcia! Tudo bem?


         - Sim está tudo!


         - Desculpa estar a tocar no assunto mas … ontem à noite eu vi-te no muro.


 


A Márcia ficou alertada, posso dizer que entrou num ligeiro clima de pânico, a tensão no nosso diálogo aumentou.


 


- Sim, eu gosto de ficar um pouco na rua à noite a pensar!


- A pensar? Ouve, sei que tens algum problema e quero-te dizer que podes contar comigo, mesmo me conhecendo a apenas dois dias!


- Estás parvo, comigo está tudo bem!


- Não faças de mim parvo, não me atires areia para os olhos! Se eu me ofereci para ajudar, podes confiar. – Levantei-me da cadeira e ia sair, já todo chateado.


- Espera … eu preciso de falar!


- Bom dia!!! – Chegou a Rute, interrompendo-nos a conversa.


 


         Não acredito nisto, no momento em que ia saber o que se passava com ela a Rute tinha que chegar. Tal como ela desceram todos.


 


         A Márcia saiu da mesa e foi para o quarto, pouco depois vou até ao seu quarto:


         - Posso entrar?


         - Um momento só, vou trocar de camisola! …Já podes.


         - Podemos falar agora, se quiseres.


         - Quero, preciso mesmo! Ontem à noite viste alguma coisa?


         - Sim vi – Nesse instante levanto-lhe os braços da camisola, para elucidar-lhe do que tinha visto, ela baixou os olhos. – Porque fazes isso?


         - Não sei…


         - Toda a gente faz alguma coisa por alguma razão.


         - Sim mas só dou por mim depois de já estar feito, eu não tenho noção do que estou a fazer no momento, é um modo que eu tenho de descomprimir tudo o que me vai lá dentro…


         - Mas porquê?


         - Eu sofro de…


(…)

publicado por R.M. às 22:45
link | favorito
De Miss-Devil a 19 de Agosto de 2005 às 22:55
ola!
essa inspiraçao, vou-te contar...
infelizmente a doença da márcia é real e existe pessoas k sofrem e so é diagnosticado por vezes tarde demais pk xegam a deixar marcas irrecuperaveis.
espero pelo proximo capitulo
jokas


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Para não perder o Blog

. Fim

. (Re)Escrever o Verbo Amar

. Deixo-te escolher...

. Olhar

. Xeque-Mate da vida...

. Noite...

. Sonho

. Anjo das Asas Negras

. Não há fuga

.arquivos

. Agosto 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub